segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Já faz parte da Liga dos Amigos de Santa Helena da Cruz/2016? Quantos amigos já arranjou para esta Liga de Amigos?


37 anos de padre, 25 dos quais ao serviço da Paróquia de São Pedro de Tarouca

15 de Agosto de 1979. Sé Catedral de Lamego, 11 horas.
Com mais dois colegas, fui ordenado sacerdote.
Já lá vão 37 anos e parece que foi ontem!...
Evoco a alegria, o contentamento, a paixão, a convicção, o sonho - e porque não - as ilusões dessa primeira hora.
Evoco a simpatia e a alegria contagiante de familiares, conterrâneos, amigos e pessoas das paróquias onde havia estagiado.
Experimento a gratidão para com todos os que me ajudaram na caminhada para o sacerdócio: pais, familiares, O senhor Arcebispo, D. António Xavier Monteiro que sempre me acolheu e me ordenou, o seminário (mestres e companheiros), paróquias (de nascimento e onde estagiei), amigos e tanta outra gente...
E sobretudo louvo o Senhor que se lembrou da minha limitação e me chamou.

37 anos depois, a mesma paixão pelo sacerdócio, agora mais temperada por anos de experiência.
37 anos depois, e cônscio dos meus limites, imperfeições e fraquezas, quero dizer do fundo da alma: "Aqui estou, Senhor! Para louvar e agradecer, bendizer e proclamar Deus trino de Amor."
Peço-Te, Deus de bondade, que renoves continuamente em mim a alegria e a disponibilidade da primeira hora. Não me deixes cair na rotina nem no instalamento. Perdoa as minhas faltas e fraquezas e aceita a vontade de te amar e, por Ti, servir meus irmãos até ao fim.
Obrigado, Senhor, por tudo. Por tanto!


Mãe do Céu, que feliz coincidência! Nasci num dia 13 e fui ordenado na Solenidade da tua Assunção. Tens sido na minha vida  porto seguro,  ajuda sentida,  carinho e  alento. Quanto tenho para te agradecer, louvar e bendizer!
Por Ti me consagro a Deus, a Ele me entrego.
Obrigado, Santa Mãe!

Destes 37 anos de sacerdócio, 25 foram ao serviço da Paróquia de São Pedro de Tarouca. Um quarto de século!...
Que paciência a desta gente que há 25 me atura!
Como eu gostava de te servir melhor, comunidade paroquial tarouquense!
Obrigado pela amizade, compreensão e familiaridade.
Enquanto Deus e a Igreja assim o entenderem, vamos continuar a caminhar juntos, rumo à ambição de que Cristo seja tudo em todos.
Com Maria, a Senhora das Dores, com Santa Helena, com São Pedro, o Padroeiro, queremos procurar  acolher o Cristo que nos salva, Ele que é o Pastor das nossas vidas. E por Ele, procuraremos ser uma comunidade cada vez mais evangelizada e evangelizadora.
Caros paroquianos, permiti só uma palavra, que brota cá de dentro: gosto muito de vós.


Muito obrigado!
-A todas as pessoas que, através das novas tecnologias ou pessoalmente tiveram uma palavra de amizade pelo aniversário de ordenação sacerdotal.
-Aos paroquianos que, no fim das Eucaristias, me vieram saudar.
- Àquelas assembleias dominicais, que finda a Eucaristia, cantaram os parabéns.


Entendo que o aniversário natalício tem um cunho mais pessoal. Mas entendo igualmente que o aniversário da Ordenação Sacerdotal tem um claro cunho comunitário. O Padre é ordenado para o serviço da comunidade. Logo compete à comunidade saber reconhecer isso. Seja o pároco A, B ou C.
O Padre não tem mulher nem filhos, porque a comunidade é a sua família. E o encanto familiar também se vive e se manifesta nestes gestos.
E não pensemos que a iniciativa tem que vir deste ou daquele, deste ou daquele grupo. Não. Pertence a TODA A COMUNIDADE!
O Pároco

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Vem aí o Domingo, seguido de Dia Santo!


Dia 14 de agosto é DOMINGO.
Dia 15 de agosto é Dia Santo. Solenidade da Assunção de Nossa Senhora.


Dos Cinco Mandamentos da Igreja Católica, o 1º Mandamento diz:
Participar da missa inteira nos domingos e outras festas de guarda e abster-se de ocupações de trabalho.

domingo, 7 de agosto de 2016

Reunião do Arciprestado de Armamar/Tarouca

Reuniu na tarde de 7 de agosto o Arciprestado de Armamar/Tarouca, sob a presidência do Arcipreste, P.e Mergulhão.
Após um tempo de oração, seguiram-se as informações do Colégio de Arciprestes.

Reflexões: 
1. Analisou-se o ano pastoral em curso e ficou a conhecer-se o tema, a nível diocesano, do ano pastoral 2016/17: "Ide e anunciai a Boa Nova a toda a criatura". A nível arciprestal, salientaram-se a Jornada Diocesana da Juventude, realizada em Santa Helena, e o 1º Encontro do Conselho Pastoral Arciprestal.
 2. Projetando o próximo ano pastoral, foram apresentadas algumas ideias.
3. Neste Ano Santo da Misericórdia, o Arciprestado fará a sua Peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora da Lapa em 2 de outubro próximo, começando aí pelas 16 horas. Seguir-se-á um convívio, pelo que as pessoas devem levar o seu farnel.
Embora, certamente, muita gente se vá deslocar em carro próprio, haverá ainda a possibilidade do autocarro. Quem desejar utilizar o autocarro deve inscrever-se meados de setembro. No caso da Paróquia de São Pedro de Tarouca, junto do sr. José Oliveira.
A reunião terminou com a partilha de uma refeição fraterna.

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Igreja portuguesa celebra 44ª Semana Nacional das Migrações de 7 a 14 de agosto




0 rosto da criança interrompe a rotina do nosso quotidiano e interpela-nos. Evoca, a infinidade de crianças desaparecidas, e outro tanto de menores desacompanhados.
  

O rosto da família recorda-nos tantas famílias que buscam legítimas condições de vida, proteção, concretização de sonhos, sonegados pelo egocentrismo, pela lentidão burocrática aliada à falta de decisão política, por medos e suspeitas intoleráveis, que agravam o drama de milhares de migrantes e refugiados, que nos espaços a que estão confinados interpelam as sociedades e os Estados.  

Milhares de pessoas viram as suas vidas transtornadas e, por razões alheias à sua vontade, denunciam a falta de paz, a miséria, as desigualdades sociais e territoriais, a corrupção, os diversos perigos acumulados durante o seu percurso migratório. O fenómeno migratório recorda-nos que o planeta terra é a nossa casa comum, património de toda a humanidade, e que os povos estão interligados. E por esse motivo também ao nível dos Estados precisamos de nos encontrar e construir uma política mais humana, que sirva a promoção da dignidade das pessoas, famílias e povos. Sociedades, países e grupos que se fecham e erguem barreiras estão doentes e necessitam de cuidados. O terrorismo, o tráfico de pessoas, a exploração laborai e sexual são chagas conhecidas que carecem de um combate urgente.
 

Diante de inúmeras questões, medos, suspeitas e desconfianças, o imperativo ético de acolher e integrar concretiza-se em iniciativas e manifestações de solidariedade de cidadãos e instituições da sociedade civil que, movida pela compaixão, recorda que a nossa humanidade não está adormecida nem é indiferente, e redescobre localmente o poder da cooperação, para responder a questões complexas, onde todas as instituições civis, estatais, religiosas e cidadãos são imprescindíveis.
 

É no encontro que se promove a paz e a justiça tão necessárias. É no encontro que o rosto da misericórdia se revela. E uma vez acolhido no humano se converte em lei. A misericórdia é o único caminho capaz de resgatar a nossa humanidade. A misericórdia alarga horizontes de fraternidade e recorda-nos que a fragilidade da nossa condição restabelece-se em gestos de proximidade
 

O acolhimento é o gesto e atitude interior que resgata da morte, cuida e devolve a vida. Na perspetiva de quem é acolhido, encontra naquele que não é indiferente, o rosto do bom samaritano, que reconhece naquele que sofre e está abandonado à própria sorte um irmão, uma pessoa que merece ser socorrida, abrigada e protegida, independentemente da sua nacionalidade ou credo.
 

O diálogo é o caminho a percorrer e a aprofundar, rumo à cultura do encontro que constrói verdadeiras fraternidades sem fronteiras culturais e religiosas, nomeadamente entre comunidades unidas pelo Deus da Misericórdia.
 

A misericórdia tem um rosto que para os cristãos converge para Cristo, que se encontra simultaneamente nos migrantes e refugiados, mas também naqueles que, à semelhança do Bom Samaritano, não são indiferentes ao seu próximo.
  

Este ano a peregrinação dos migrantes ao Santuário de Fátima, nos dias 12 e 13 de agosto, promovida pela Comissão Episcopal e a OCPM, irá ser presidida pelo Senhor Arcebispo D. Angelo Vincenzo Zani, Secretário da Congregação para a Educação Católica e no domingo, dia 14 de agosto, dia em que as nossas paróquias e comunidades cristãs são convidadas a celebrar a Eucaristia em ação de graças pelos migrantes e pelo trabalho pastoral que a Igreja desenvolve em favor dos mesmos, recordamos que o ofertório consignado reverte em favor da pastoral da mobilidade humana da Igreja em Portugal. Será também o dia da Jornada de Solidariedade em prol das migrações.


terça-feira, 2 de agosto de 2016

Intenções de oração do Papa Francisco para o mês de agosto


A Santa Sé publicou as intenções de oração do Papa Francisco para agosto, dedicadas ao desporto como caminho de encontro entre os povos, e para que os cristãos vivam a exigência do Evangelho.
A intenção universal da Rede Mundial de Oração do Papa (Apostolado da Oração) para o mês de agosto de 2016 é: “Para que o desporto seja uma oportunidade de encontro fraterno entre os povos e contribua para a causa da paz no mundo”.
Além disso, sua intenção de evangelização para este mês é: “Para que os cristãos vivam o seguimento do Evangelho dando testemunho de fé, de honestidade e de amor pelo próximo.”
ORAÇÃO
Deus Pai,
todos os teus filhos são chamados, na sua diversidade,
a colaborar na construção de um mundo melhor.
Não apenas através dos assuntos políticos e económicos,
mas também nos momentos de encontro e lazer.
Nos grandes eventos desportivos, cria-se um exemplo de comunhão e partilha,
um sinal de que é possível construir a paz.
Também peço para que a minha vida seja um testemunho coerente da minha fé,
em atitudes de honestidade e amor para com o meu próximo.
Pai-Nosso; Ave-Maria; Glória… 
DESAFIOS PARA ESTE MÊS:
- Viver os momentos de desporto e lazer como oportunidade de saudável convívio e respeito pela diferença.
- Ver, na minha vida, onde estou
a ser pouco coerente com a minha fé e procurar mudar as minhas atitudes.
- Dedicar este mês a uma atenção maior ao desafio da honestidade para com os mais próximos, para com as instituições, o meu país e as suas leis, etc.

Mais um Nº do Sopé da Montanha ((Junho/Julho)


Compre, assine, divulgue o Sopé da Montanha!

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Jornada Mundial da Juventude (JMJ) na Polónia

De 26 a 31 de julho de 2016

Vá seguindo a Jornada Mundial da Juventude ... AQUI

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Padre Jacques Hamel

Vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos
por amor da palavra de Deus
e por amor do testemunho que deram
Ap 6, 9
Pére Jacques Hamel estava ali, servindo o Senhor, quando em nome de um deus que não existe, (porque não há nenhum deus que exija a morte, que fomente o ódio, que enalteça a morte dos outros), é barbaramente morto, decapitado, como se por acaso o Deus de infinito amor não recebesse com superlativo amor, aquele que perde a cabeça, (porque apaixonado se deixa guiar pelo coração), no Seu seio, e não fizesse a festa no Céu por aquele que foi sacrificado pelo “rebanho”.
Decapitado ou morto por leões, numa europa que cada vez mais se aproxima dos circos romanos, onde se matava em nome de nada e os cidadãos se compraziam com o espectáculo, anestesiados por governantes corruptos e débeis na vontade, na força e no carácter.
Não, não pode haver vingança a ser servida, mas tão só a realidade dos factos, a justiça que deve ser exercida e exigida, e a demonstração que a civilização tocada por Cristo, é muito melhor do que o ódio que poderia humanamente ser aceitável contra tais indivíduos, porque é uma civilização tocada pelo amor, em que o mandamento principal depois do amor a Deus, é o amor aos outros, mesmos àqueles que nos fazem mal.
É que se nos deixarmos levar por esse ódio, então damos-lhes a vitória, porque perdemos o que de mais sagrado nos une a Deus, que é amor a Ele e aos outros.
Dizem-nos vários relatos dos martírios dos Santos de Deus no Circo de Roma, que eles cantavam, louvavam a Deus, enquanto morriam.
Sem deixarmos a tristeza tão humana inerente à perca de uma vida humana dedicada a Deus, demos também nós graças a Deus por este Seu filho, Jacques Hamel, e alegremo-nos porque temos um Santo no Céu a interceder por nós.
Rezemos também pelos seus algozes, por muito que nos custe, na certeza de que Jacques Hamel junto de Deus, Lhe diz neste momento: Perdoa-lhes Pai, que não sabem o que fizeram!
Tudo e sempre para a maior glória de Deus, nosso começo e nosso fim, nossa confiança e esperança, nossa vida eterna em plenitude.
Marinha Grande, 26 de Julho de 2016
Joaquim Mexia Alves

31/07/2016 - 18º Domingo do Tempo Comum - Ano C

Leituras: aqui
video

terça-feira, 26 de julho de 2016

Festa de São Tiago em Arguedeira

A Comissão de Festas de Santo António, Arguedeira, sempre celebra São Tiago, o que acontece em 25 de julho. Este ano, tal voltou a acontecer.
Pelas 19 horas, foi celebrada a Santa Missa. Seguindo-se, mais tarde, a atuação de um conjunto e o convívio popular.
Esta Capela diz-nos bem da inteligência prática dos nossos antecessores. Como o templo é muito pequeno, colocaram o púlpito à entrada da capela para que, assim, todos os participantes pudessem ouvir a Palavra de Deus. Recordamos que, antigamente, não existia instalação sonora, pelo que era necessário que todos pudessem escutar a Palavra de Deus. A maneira prática que os antigos encontraram foi colocar o púlpito à entrada do templo. Assim todos podiam escutar, os que estavam dentro e os que estavam fora.
Bastante gente na celebração que correu com serenidade e participação.
Foi muito belo o que se seguiu à celebração. Alguns vizinhos da Capela convidaram os participantes para uma bebida em suas casas. Ora, atendendo ao calor, tal gesto caiu bem nas pessoas e diz muito do acolhimento tão próprio das nossas gentes.
A festa de São Tiago tem muito de festa familiar, pela alegria, simplicidade, partilha, são convívio.
Parabéns aos mordomos e ao povo.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Festa de Cristo Rei - 2016


















No passado dia 24 de Julho, realizou-se a festa em honra de Cristo Rei, em Gondomar.
O dia amanheceu com um tempo fantástico, um verdadeiro dia de Verão, e assim muita gente demandou aquele monte para assistir às celebrações. Às 11h30 teve início a eucaristia seguida de procissão. Ambas aconteceram num clima de silêncio e as pessoas presentes souberam respeitar a santidade do momento e participaram de forma entusiasta. Depois de terminada a procissão e ser dada a bênção a todos os presentes, muitos foram aqueles que decidiram almoçar naquele lugar, afinal no monte o apetite aumenta e tudo parece mais puro! Durante a tarde, teve lugar um momento de animação com a atuação do grupo de concertinas “Terras do Demo”, seguindo-se, por fim, o sorteio das rifas. Tudo correu bem, as pessoas foram participativas e houve serenidade durante toda a festa.
A imagem imponente de Cristo Rei ergue-se no lugar mais alto da povoação de Gondomar e, não só no dia da festa, mas durante todo o ano, a subida àquele monte parece fazer-nos estar mais perto de Deus. Aquele sítio paradisíaco dá a quem lá vai uma paz interior enorme e proporciona um encontro com Deus fantástico. A paisagem é lindíssima e tudo o que envolve aquela serra torna-a encantadora. Que Deus ilumine todos aqueles que visitam aquele lugar, lhes dê um coração puro como a serra e os transforme em pessoas de paz.


Ana Patrícia Teixeira


É de justiça salientar o trabalho, a dedicação, o carinho e o empenho demonstrados pela Comissão da Capela de Cristo Rei. É conhecida a sua determinação de tudo fazer para continuar a dar àquele espaço as melhores condições, reforçando sempre o seu carácter de espaço religioso.

Santo do dia: São Tiago Maior, apóstolo


Nascido em Betsaida, este apóstolo do Senhor era filho de Zebedeu e de Salomé e irmão do apóstolo João, o Evangelista.
Pescador juntamente com seu irmão João, foi chamado por Jesus a ser discípulo d’Ele. Aceitou o chamado do Mestre e, deixando tudo, seguiu os passos do Senhor.
Dentre os doze apóstolos, São Tiago foi um grande amigo de Nosso Senhor fazendo parte daquele grupo mais íntimo de Jesus (formado por Pedro, Tiago e João) testemunhando, assim, milagres e acontecimentos como a cura da sogra de Pedro, a Transfiguração de Jesus, entre outros.
Procurou viver com fidelidade o seu discipulado. No entanto, foi somente após a vinda do Espírito Santo em Pentecostes que São Tiago correspondeu concretamente aos desígnios de Deus. No livro dos Atos dos Apóstolos, vemos o belo testemunho de São Tiago, o primeiro dentre os doze apóstolos a derramar o próprio sangue pela causa do Evangelho:
“Por aquele tempo, o rei Herodes tomou medidas visando maltratar alguns membros da Igreja. Mandou matar à espada Tiago, irmão de João” (At 12,1-2).
Segundo uma tradição, antes de ser martirizado, São Tiago abraçou um carcereiro desejando-lhe “a Paz de Cristo”. Este gesto converteu o carcereiro que, assumindo a fé em Jesus, foi martirizado juntamente com o apóstolo.
Existe ainda outra tradição sobre os lugares em que São Tiago passou, levando a Boa Nova do Reino. Dentre estes lugares, a Espanha onde, a partir do Século IX, teve início a devoção a São Tiago de Compostela.
São Tiago Maior, rogai por nós!
Fonte: aqui

Férias são um direito, uma necessidade

Não faça férias de Deus.
Faça férias com Deus!

quinta-feira, 21 de julho de 2016

24/07/2016 - 17º DOMINGO DO TEMPO

video
Leituras: aqui



«A Igreja não satisfaz expectativas, celebra mistérios»

O cardeal Carlo Maria Martini, sempre acutilante na sua magna sapiência, notou que «a Igreja não satisfaz expectativas, celebra mistérios».
Os mistérios não devem variar conforme as nossas expectativas, as nossas expectativas é que se devem conformar ao mistério.
É por isso que Chesterton sonhava com uma Igreja que não mudasse com o mundo, mas que contribuísse para mudar o mundo.
A Igreja não existe para que façamos a nossa vontade.
A Igreja existe para que a nossa vontade coincida com a vontade de Deus!
João António Teixeira, in Facebook

quarta-feira, 20 de julho de 2016

O astronauta

Soube há pouco que um astronauta, que era ateu e se havia convertido ao catolicismo, para fazer uma viagem, já não recordo onde, pusera como condição que lhe deixassem levar o Santíssimo Sacramento da Eucaristia para comungar ao menos uma vez por semana, por sua própria mão, enquanto estivesse ausente nos dois meses da viagem. O bispo da sua diocese concedera-lhe a autorização.
Foi-me contado, como o escrevo. Ou quase. Quem mo contou pretendia louvar a atitude deste cristão, em contraste com a de muitos que não têm qualquer tipo de amor à Eucaristia. Porém, a mim soube-me a estranho. A confusão. 
Em primeiro lugar, parece-me esquisito, para não dizer despropositado, pôr condições a Deus. Vou ali se vieres comigo. Vou ali se te puder comungar. Claro que o astronauta foi um testemunho exemplar do amor a Deus. Mas o amor é tão livre que até na comunhão deveria ser sem condições. 
Em segundo lugar fez-me pensar em tantas outras pessoas sem nome que não têm a possibilidade de comungar por não terem sacerdote, ministro extraordinário da Comunhão ou Eucaristia à mão. Ou aqueles que a hierarquia afasta da comunhão porque as condições assim o não permitem. Não vou explicar de quem me estou a lembrar. 
Nem escrúpulos nem facilidades. O amor é geralmente o termómetro das nossas opções!
Fonte: aqui

terça-feira, 19 de julho de 2016

Decorrerá de 26 a 31 de julho, em Cracóvia, na Polónia, a XXXI Jornada Mundial da Juventude


Estarão presentes jovens desta comunidade.
Aos nossos jovens e a todos os participantes desejamos uma feliz Jornada Mundial da Juventude.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Francisco solidário com vítimas da «violência cega»

 
O Papa Francisco enviou uma mensagem de condolências às vítimas do atentado que esta quinta-feira à noite fez pelo menos 84 mortos na cidade de Nice (sudeste), condenando a “violência cega” que atingiu as vítimas.
“Quando a França celebrava a sua festa nacional, a violência cega atingiu mais uma vez o país em Nice, fazendo numerosas vítimas, incluindo crianças”, refere o texto, divulgado pela sala de imprensa da Santa Sé.
A mensagem foi transmitida ao bispo de Nice, D. André Marceau, através do secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin.
“Condenando mais uma vez estes atos, sua Santidade o Papa Francisco manifesta a sua profunda tristeza e a sua proximidade espiritual ao povo francês”, pode ler-se.
O atentado em Nice fez pelo menos 84 mortos e mais de 100 feridos, dos quais 18 em estado considerado crítico, segundo o mais recente balanço do Governo francês.
Um homem, identificado como Mohamed Lahouaiej Bouhlel, lançou um camião sobre a multidão reunida na avenida marginal da cidade de Nice para assistir a um espetáculo de fogo-de-artifício, durante as celebrações do Dia Nacional de França (Tomada da Bastilha).
Rezo pelas vítimas do atentado em Nice e seus familiares. Peço a Deus que converta o coração dos violentos, obcecados pelo ódio

O Papa mostra-se solidário com os feridos e com os que estiveram envolvidos nas operações de socorro, rezando por eles “nesta provação”.
Francisco “confia à misericórdia de Deus” as pessoas que perderam a vida e associa-se também ao “luto” das famílias das vítimas.
“Implorando a Deus o dom da paz e da concórdia, ele invoca sobre as famílias provadas e sobre todos os franceses a graça das bênçãos divinas”, conclui a mensagem.
O Papa recorreu depois ao Twitter para deixar uma mensagem a todos os que o seguem nesta rede social: "Rezo pelas vítimas do atentado em Nice e seus familiares. Peço a Deus que converta o coração dos violentos, obcecados pelo ódio".
O presidente francês, François Hollande, decretou três dias de luto nacional, de sábado a segunda-feira, na sequência do atentado.
In agência ecclesia